Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Internacionalização (parte 3)...

por Tomates e Grelos, em 17.12.12

Precisava de encontrar uma arma secreta, algo que me permitisse ter vantagem. A mesma vantagem que ela tinha ao olhar-me nos olhos enquanto demonstrava todo o seu conhecimento na arte de desarmar um homem.

- "Já sei!", pensei eu.

- "Vou privá-la de um dos seus sentidos.", decidi.

- "Isso dar-me-á vantagem.", antevi.

Procurei rapidamente algo que servisse o meu propósito. O cachecol que tinha deixado nas costas da cadeira era a arma perfeita. Avancei com o meu plano e coloquei-lhe a venda improvisada. Foi perceptível a surpresa dela. Estava no caminho certo para a vitória. Esta batalha seria minha.

 

 

Comecei por deitá-la. Colocá-la à minha mercê. Fazia questão de a torturar tanto ou mais do que ela tinha feito a mim. Afastei-lhe as pernas e elevei-as. Estava ao meu dispor.

 

 

O meu primeiro ataque foi deslizar os meus dedos pela seu sexo molhado e aberto. Estava deveras excitada. Senti-a estremecer ao aperceber-se do meu inesperado toque. Fiz o mesmo no seu peito. Fazia questão de me movimentar silenciosamente para que não pudesse antecipar o golpe seguinte. Senti o interior das suas coxas. Ferviam. Deslizei até sentir o seu suco nos meus dedos. Assim que estavam bem melosos, levei-os aos seus lábios. Ela recebeu-os com gulodice, abrindo os lábios e sugando o seu próprio néctar avidamente.

 

 

Era altura de trocar de arma. Na calha estava agora a boca.

Usei especificamente a língua, numa simples passagem pelos seus lábios, com gosto e perfume de sexo feminino. O próximo alvo a abater era um dos seios, começando por baixo, subindo depois até ao mamilo, onde me demorei mais um pouco, com movimentos verticais, sentido-o endurecer à medida que o estimulava.

 

 

Continuei a minha demanda para sul, determinado em tomar o monte de Vénus. Era depilado e macio, como eu gosto. Tinha primeiro de assegurar o perímetro, antes de entrar. Assim o fiz. Com leves movimentos linguais, segui para sudoeste do monte, mesmo junto à virilha. Os seus arrepios eram um incentivo. Continuei para sul, até chegar à fronteira entre o sexo e o botão de rosa. Demorei-me mais um pouco. Não porque fosse mais difícil de tomar, mas sim para tornar a vitória final mais fácil. Como estava a gostar daquela batalha. Era tempo de fechar o círculo. Faltava-me conquistar o lado direito, antes de atacar o centro com toda a artilharia disponível.

 

 

Assegurado o perímetro, era tempo de atacar o principal baluarte. Aquele sexo seria meu e sentiria-o a latejar na minha boca. Lambi-o de baixo para cima, num movimento único. Sento o seu saber na minha boca. Voltei a fazê-lo. Voltou a estremecer. Ah como é bom saber que aquela mulher, orgulhosa no prazer que infligia, estava agora a deliciar-se com o prazer que eu lhe infligia. Mas isso não era satisfação suficiente para mim. Tinha de a deixar nua, descontrolada, desprotegida.

Espalhei todo o seu suco pelo clitóris, descendo até ao ânus, lubrificando toda a área. Aquela mistura de sensações estava a produzir o efeito desejado. Ela contorcia-se de prazer e era tempo de ir até ao fim.

Com as pernas bem abertas e o sexo bem exposto, dei algumas estocadas com a língua, penetrando-a. Leves gemidos soltaram-se. A vitória estava perto.

 

 

Iniciei o assalto final, molhando um dedo na sua coninha e deslizando-o até chegar ao botão de rosa, que prontamente arrombei. Os leves gemidos deram lugar a leves gritos de prazer. Com toda a minha boca, abracei o seu sexo, a língua bem dentro dela, enquanto o meu dedo foi até onde pôde. Os seus quadris mexiam-se freneticamente. Era tempo do golpe fatal. Parei! Tirei o dedo e afastei-me. Continuava a movimentar a pélvis, como se ainda estivesse a ser estimulada. Tentou fazê-lo com a mão. Não permiti.

 

A vingança é um prato que se serve frio e, se a sua estratégia passava por provar a si mesma que eu não lhe resistia, a minha passava por obrigá-la a resistir. Alguns segundos após ter deixado o meu adversário agonizar, levei o dedo indicador e o médio à sua boca onde foram recebidos sem resistência, saindo de lá lubrificados. O indicador foi colocado à entrada do sexo do meu oponente, enquanto que o médio o foi à entrada do botão de rosa. Uma ligeira pressão e deslizaram bem fundo. As costas arquearam. Continuava pronta a explodir. Iria sofrer de novo. Puxei os dedos e votei-a ao abandono. A sua cabeça movia-se da esquerda para a direita, um inquietude que só terminaria num orgasmo. Repeti o ataque, desta vez acrescentei uma língua e um clitóris à equação. Lambi, chupei, penetrei, rodei os dedos dentro daquele corpo maravilhoso e ele retribuiu. Uma enorme contracção apertou as minhas armas, ornamentada por um grito, seguida de um distender alagado em suco orgástico. Retirei-me suavemente, notoriamente causando ainda prazer. Os últimos cartuchos da batalha eram queimados.

 

 

A vitória satisfez-me. Estávamos agora empatados. Esta tinha sido uma batalha ganha. O meu adversário, após retumbante vitória, sucumbia agora aos meus pés. É certo que usei tácticas pouco honrosas. Privei-o da sua visão e torturei-o. Mas esta guerra tinha apenas uma regra: prazer. E essa, eu tinha cumprido. Mas como terminaria a guerra? Quem seria mais forte na próxima batalha? Estaria algum dos oponentes capaz de vencer?

 

(to be continued...)

publicado às 22:04



Mais sobre mim

foto do autor


Copyright

© Tomates e Grelos and tomatesegrelos.blogs.sapo.pt, 2012 to 2014. Unauthorized use and/or duplication of this material without express and written permission from this blog’s author and/or owner is strictly prohibited. Excerpts and links may be used, provided that full and clear credit is given to Tomates e Grelos and tomatesegrelos.blogs.sapo.pt with appropriate and specific direction to the original content.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Mais sobre mim



Homem que gosta da vida, de prazer, de sexo, de conversar, de partilhar.


Se deseja entrar em contacto com o autor, pode fazê-lo através do endereço: tomatesegrelos@sapo.pt.


ver perfil

seguir perfil


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Tomates & Grelos Online



Links

xpto