Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Monotonia...

por Tomates e Grelos, em 23.10.13

O dia apresenta-se cinzento, desinteressante. Ele, estendido no sofá, enfadado, desvia o olhar para o relógio que arrasta os ponteiros, não permitindo às horas avançar à velocidade desejada. O tumulto interior, qual catástrofe natural, consome-o como um incêndio, não permitindo ao corpo permanecer inerte. Anseia por algo desconhecido que sabe bem o que é. Aquilo que, teimosamente chama de inquietude, tem outro nome. Decide que, no que dependesse de si, uma chuva torrencial haveria de acabar com o incêndio. Num movimento decidido, puxa do telemóvel e começa a pescar. Não tarda até que o peixe comece a morder...umas mais seguras do que outras.

 

Como em tantas outras coisas na vida, a esperança vem de onde menos esperava. No telemóvel, aparece "Nova mensagem de Noviça". O nome com que a tinha "baptizado", caracterizava a esperança que depositava nesta conhecida. Abre a mensagem e percebe que este peixe não mordeu...abocanhou o isco, engoliu o anzol e já puxa a linha. Subitamente excitado com a ideia de que a chuva virá, começa a enrolar o fio, puxando o peixe para bordo. Utiliza de toda a sua perícia para não o deixar escapar. Entre argumentos de excitação e promessas de prazer, acena-lhe com o desconhecido e alicia-a com luxúria e sensualidade. Ela cede.

 

Ele, renovado de energia por todo o corpo, apressa-se a mudar de roupa, pentear-se e perfumar-se. Lava o cabelo, para que o possa pentear exactamente como pretende. Não admite nada inferior à perfeição, ainda que o peixe já esteja na rede. Não perde tempo com a roupa, sabe bem o que vestir para que encontro se repita no futuro, se for do seu interesse. Veste os boxers eleitos e as calças de ganga por cima. Antes da camisa, o perfume que quer cravar-lhe na memória. Haverá de o desejar e de se sentir a arder, cada vez que o sentir pairar no ar. Agora sim, a camisa, ao jeito do tronco, de mangas arregaçadas. O cinto prende-a dentro das calças. Faltam os mocassins, sem meias. Está pronto.

 

Mete-se no carro e ruma ao desconhecido prazer que o aguarda. Está cheio de tesão e fantasia com o futuro, apenas a alguns quilómetros de distância. Não resiste a provocar pelo caminho. A noviça afirma-se encharcada...com medo...mas encharcada. Ele, como é seu apanágio, quer mais. Quer-la como quer qualquer mulher que se atravesse no seu percurso sexual: a trepar paredes!

 

- Onde estás?

- No estacionamento.

- Qual é o teu carro?

- Um corsa cinzento.

- Hmmm...estou a passar em frente agora...já te vi. Vou encostar.

- Estás num VW preto?

- Sim. Sou eu. Vem.

 

Não sabem o que fazer. Não sabem o que dizer. Os olhos cruzam-se pela primeira vez e tentam deslindar o que ocorre por detrás dos mesmos. Os segundos parecem horas. Sabem que este momento não se repetirá entre eles. O impacto é único, nasce e morre naquele momento. É ele quem o mata.

 

- És muito bonita.

- Obrigada. Tu também.

- Obrigado. Aliviada?

- Por seres bonito? Sim...

- Estás a tremer.

- Pois estou. Estou nervosa.

- Com medo?

- Sim. Tu não?

- Medo? Não. Mas sim, estou nervoso, claro.

 

Um resquício do momento que ele tinha assassinado, paira, qual fénix renascida, qual déjà-vu. Consciente do que tinha a fazer, toma as rédeas e coloca-se em andamento. O diálogo continua, enquanto procuram um local para satisfazer o desejo que os guia e consome. Fazem conversa de circunstância, típico de duas pessoas que se acabaram de ver pela primeira vez, pouco coincidente com o que haviam feito até então, nada concordante com o facto prestes a consumar. Vão foder.

 

Não vão fazer amor. Não se amam. Querem sexo. Querem sexo rápido e sem tretas. Querem fogo. Querem corpos encaixados e gemidos abafados. Querem suor, querem saliva, querem língua, querem boca.

 

Chegam ao local elegido, deserto, recôndito. Os corações palpitam. As mãos tremem. Que fazer? Quem faz? Quem diz? Ele avança. Arranca um primeiro beijo. O segundo é oferecido. O terceiro é desejado. Os beijos chamam pelas mãos. Estas vêm e obedecem como animais amestrados. A blusa dela abre-se para revelar o peito, sem soutien. Ele sorri, atrevido, e mergulha de língua nos mamilos já hirtos, a procurar o céu. A mão acompanha e toma conta do peito sem boca. Ela, outrora mais nervosa, é mais directa, e directa vai ao chumaço que se avoluma nas calças dele. Pressiona-o contra a perna. Sente-o enrijecer...deseja-o. As rédeas são dela. Sai o cinto, abrem-se os botões e procura dentro do frasco, o doce que leva à boca. Lambe com a sofreguidão de quem vai fazê-lo pela última vez. Chupa sem medo que se esgote. Ele, por seu lado, recosta-se para que ela possa desfrutar...e ele também. O doce, ao invés de minguar, cresce e endurece. Está pronto. Sai o cinto dela, o fecho abre-se e as calças descem. A ausência de roupa interior, já não constituía surpresa, mas não deixou de ser notada. Ele, já estava no banco de trás, sentado, para ela. Ela sabia que aquele banco era para ela se sentar, afinal, foi ela que lhe deu forma. Não se faz de rogada e senta-se. Invadida, gemem em uníssono. Chegou o momento que só terminará quando ambos estiverem suados e satisfeitos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:26


71 comentários

De Palomina a 24.10.2013 às 18:13


Não mistures as coisas, ainda há pouco disses-te que já estiveste mais inclinado para vir aqui do que estás agora.
Image

De Tomates e Grelos a 24.10.2013 às 18:17

E é verdade...isso não quer dizer que não me convenças.

De Palomina a 24.10.2013 às 18:21

Mas quem foi que disse que eu te queria convencer?

De Tomates e Grelos a 25.10.2013 às 09:49

Esclarecida do equívoco? Image

De Palomina a 25.10.2013 às 15:22

Sim.
Essa tua mania de me deitares a língua de fora ainda te vai dar que fazer.

 

De Tomates e Grelos a 25.10.2013 às 15:31

Vai vai...dia de São Nunca, à tarde. Image

De Palomina a 25.10.2013 às 15:32

Nunca digas nunca!!

 

De Tomates e Grelos a 25.10.2013 às 15:37

Normalmente não digo...mas no teu caso...

De Palomina a 25.10.2013 às 15:38


Qua caso qual carapuça, aqui não há caso nenhum!!
Image

De Tomates e Grelos a 25.10.2013 às 15:53

Eu é que sei!

De Palomina a 25.10.2013 às 15:55

Referiste "no meu caso".
E desses nada sabes, quem sabe sou eu.
Image

 

De Tomates e Grelos a 25.10.2013 às 16:01

Então fica com eles.

De Palomina a 25.10.2013 às 16:18


Se me apetecer...

De Tomates e Grelos a 25.10.2013 às 16:24

podes tentar vendê-los mas, duvido que alguém os queira.

De Palomina a 25.10.2013 às 16:29

Sem comentários....para que não responda aquilo que não tinha intenção de responder.

 

De Tomates e Grelos a 25.10.2013 às 16:42

Se não tinhas intenção de responder, não corres o risco de responder aquilo que não tinhas intenção Image

De Tomates e Grelos a 25.10.2013 às 16:24

Podes tentar vendê-los mas, duvido que alguém os queira.

Comentar post



Mais sobre mim



Homem que gosta da vida, de prazer, de sexo, de conversar, de partilhar.


Se deseja entrar em contacto com o autor, pode fazê-lo através do endereço: tomatesegrelos@sapo.pt.


ver perfil

seguir perfil


Copyright

© Tomates e Grelos and tomatesegrelos.blogs.sapo.pt, 2012 to 2014. Unauthorized use and/or duplication of this material without express and written permission from this blog’s author and/or owner is strictly prohibited. Excerpts and links may be used, provided that full and clear credit is given to Tomates e Grelos and tomatesegrelos.blogs.sapo.pt with appropriate and specific direction to the original content.

calendário

Outubro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Tomates & Grelos Online